O que a tecnologia de IA generativa fará e não fará pelos times jurídicos

spanidhscoswrappernameclasshscoswrapperhscoswrappermetafieldhscoswrappertypetextstyledatahscosgeneraltypemetafielddatahscostypetextOqueatecnologiadeIAgenerativafarenofarpelostimesjurdicosspan
29 Setembro, 2023

A inteligência artificial (IA) generativa protagonizou uma mudança sem precedentes na indústria do conhecimento. Máquinas que antes estavam limitadas a tarefas programadas e específicas agora têm a capacidade de "pensar", "criar" e "gerar" conteúdo de forma autônoma.

Uma das manifestações mais poderosas dessa capacidade é o ChatGPT, uma ferramenta desenvolvida pela OpenAI, que tem se mostrado uma ferramenta muito poderosa, capaz de realizar tarefas como responder a perguntas até redigir textos complexos, passando pela análise detalhada de grandes quantidades de informações.

IA generativa: um aliado poderoso para o mundo legal

No contexto global, aplicações como o ChatGPT têm sido adotadas em diversos setores, como jornalismo, medicina, educação e, é claro, o direito. Sua capacidade de processar linguagem natural e gerar respostas coerentes e fundamentadas abriu as portas para inúmeras aplicações que antes eram inimagináveis.

Dentro do âmbito legal, a chegada da IA trouxe uma transformação profunda. Não se trata apenas de automatizar tarefas repetitivas, mas de usar a IA para analisar precedentes, identificar padrões em sentenças judiciais, auxiliar na redação de documentos legais e muito mais. A capacidade do ChatGPT de analisar grandes quantidades de texto em segundos o torna um aliado forte para os profissionais do direito.

Benefícios da IA para o mundo legal na América Latina

Na América Latina, uma região com sistemas legais geralmente complexos e uma grande diversidade de regulamentações entre os países, a adoção de ferramentas baseadas em IA generativa para automação legal oferece a promessa de maior eficiência e precisão.

No entanto, como observado pela Webdox, ainda existem enormes necessidades de digitalizar, em primeiro lugar, a gestão legal em empresas e escritórios de advocacia, no nosso caso, do ponto de vista da gestão de contratos. Com essa digitalização anterior, a oportunidade de usar a IA em textos legais digitais, como contratos, processos judiciais e outros, se tornará cada vez mais viável.

No entanto, além disso, com toda inovação também vêm uma série de desafios e questões éticas. Até que ponto devemos confiar nas decisões de uma máquina? Como garantir que as respostas geradas por essas ferramentas estejam alinhadas com as particularidades e contextos locais? E, talvez mais crucialmente, como garantir que a adoção em massa da IA não resulte na homogeneização do pensamento jurídico e na perda do toque humano tão necessário nessa profissão?

Estamos à beira de uma nova era para a profissão jurídica, impulsionada pela chegada da inteligência artificial generativa. Embora as oportunidades sejam vastas, é essencial abordar essas mudanças com uma combinação de entusiasmo e cautela, garantindo que as ferramentas que adotamos reforcem e não substituam o julgamento humano especializado.

O que a IA Generativa pode oferecer ao mundo jurídico

Conforme mencionado acima, a inteligência artificial generativa já é uma aliada fundamental para a profissão jurídica, tanto para departamentos jurídicos de empresas e escritórios de advocacia, quanto para outras áreas do direito em diversos tipos de organizações. Para contextualizar isso, apresentamos abaixo alguns exemplos nos quais a IA generativa pode oferecer alto valor ao mundo jurídico:

  • Resumo de documentos: No ambiente jurídico, onde os documentos costumam ser longos e complexos para muitos, a capacidade de condensar textos em fragmentos compreensíveis é um ativo inestimável. Nesse sentido, a IA generativa pode analisar e entender o contexto, extrair as partes essenciais de informações de textos extensos em questão de segundos (como contratos, processos judiciais, relatórios e muito mais). Isso não apenas economiza tempo, mas também garante que detalhes cruciais não sejam ignorados.
  • Percepções operacionais e comerciais: De uma perspectiva operacional e comercial, na qual a atuação de um departamento jurídico afeta significativamente uma empresa, é crucial ter uma compreensão clara de como os contratos anteriores foram estruturados e quais foram seus resultados, associando-os à eficiência na redação ou negociação desses acordos. A IA generativa, por exemplo, pode analisar contratos históricos para detectar padrões e tendências. Isso permite às empresas e a seus advogados terem uma visão única das operações comerciais, identificando potenciais riscos e oportunidades.
  • Revisão e correção de contratos: Com a crescente complexidade e especificidade na redação de contratos, garantir a conformidade com o idioma e os termos pré-aprovados é essencial. A IA pode comparar rapidamente contratos com linguagem padrão, apontando discrepâncias ou áreas de possível conflito. Isso não apenas reduz erros humanos, mas também acelera o processo de revisão.
  • Brainstorming: A inovação é essencial na prática jurídica, especialmente quando se procura uma abordagem diferente para um contrato, documento judicial, negociação, etc. Nesse aspecto, os chatbots baseados em IA generativa podem ser colaboradores excepcionais, pois são capazes de propor soluções novas com base nas informações que processaram, oferecendo aos profissionais do direito novas perspectivas que talvez não tivessem considerado.
  • Assistência em litígios: A IA generativa também pode ser usada para analisar jurisprudência e casos anteriores relacionados a um litígio específico, oferecendo recomendações com base em como casos semelhantes foram resolvidos no passado.
  • Automatização de consultoria jurídica básica: Para questões legais padrão ou consultas frequentes, chatbots baseados em IA generativa podem fornecer respostas precisas e rápidas, liberando tempo para que os profissionais do direito se concentrem em tarefas mais complexas.

Em resumo, a inteligência artificial generativa tem o potencial de ser uma aliada fundamental na prática jurídica do século XXI. No entanto, como toda ferramenta, sua eficácia dependerá de como ela é integrada e usada no contexto diário, sempre garantindo que ela complemente, e não substitua, a sagacidade e o julgamento humanos.

As limitações da IA no campo jurídico

Como mencionamos anteriormente, a inteligência artificial provou ser um recurso valioso na gestão e análise de informações jurídicas. No entanto, a profissão ainda precisa permanecer humana em vários aspectos. As limitações listadas abaixo são algumas das principais no contexto jurídico:

  • Estratégia jurídica: Embora as ferramentas baseadas em IA sejam extraordinárias para resumir e analisar grandes volumes de informações, a estratégia jurídica continua sendo uma arte que exige experiência, intuição e julgamento humanos. O design de uma estratégia requer não apenas conhecimento jurídico, mas também uma compreensão profunda do contexto humano, econômico e social no qual um caso se insere.
  • Empatia e relacionamento com os clientes: A relação entre advogado e cliente é baseada na confiança, compreensão e empatia. Enquanto um algoritmo pode processar dados e fornecer respostas, ele não é capaz de sentir empatia ou estabelecer um vínculo emocional. A inteligência emocional é fundamental para compreender as preocupações e expectativas do cliente, bem como para conduzir negociações bem-sucedidas.
  • Compreensão local: Cada jurisdição tem suas peculiaridades, refletindo não apenas leis únicas, mas também tradições e contextos culturais específicos. Embora a IA possa processar informações para entender o texto da lei, a interpretação e a aplicação prática influenciadas por nuances culturais e precedentes locais são um grande desafio que os seres humanos são capazes de abordar melhor até o momento.
  • Casos atípicos: Os sistemas de IA operam com base em dados e padrões. Em situações atípicas, onde há poucos precedentes ou dados nos quais basear uma análise, a IA pode se encontrar em desvantagem. Nessas situações, a experiência e a intuição humanas são vitais para encontrar soluções criativas e eficazes.
  • Equilíbrio entre risco e necessidades comerciais: Decidir sobre um curso de ação legal geralmente envolve equilibrar o risco legal com as necessidades e objetivos comerciais. Essa delicada balança, que envolve considerar múltiplos fatores e possíveis repercussões, exige uma visão holística humana.

Em resumo, embora a IA seja uma ferramenta poderosa e valiosa no campo jurídico, ela ainda não pode substituir completamente o julgamento, a empatia e a experiência humanos. O futuro do direito provavelmente verá uma sinergia entre humanos e máquinas, aproveitando o melhor dos dois mundos, mas tudo isso estará intrinsecamente ligado aos avanços tecnológicos contínuos que não deixam de surpreender e que terão um impacto cada vez maior na profissão jurídica.

webdoxclm-blog-un futuro prometedor para el mundo legal

IA generativa: um futuro promissor para o mundo jurídico

Estamos no meio de uma era digital em que a inteligência artificial, em particular a IA generativa, está moldando e transformando as dinâmicas de várias indústrias. O campo jurídico, tradicionalmente visto como conservador, não escapou dessa onda de inovação. A capacidade da IA de processar, analisar e gerar informações em tempo recorde abre perspectivas promissoras para o futuro da prática jurídica.

No entanto, apesar das inúmeras vantagens e eficiências que ela oferece, é crucial reconhecer que a tecnologia tem seus limites. O cerne da profissão jurídica está no julgamento, na interpretação e na empatia humanos, elementos que uma máquina não pode replicar completamente. As ferramentas baseadas em IA são exatamente isso: ferramentas. Elas são complementos que podem facilitar e acelerar o trabalho, mas não substituem a essência humana do ofício.

É indiscutivelmente encorajador estar acompanhando esses acontecimentos pela Webdox, uma organização que está na vanguarda na América Latina na aplicação dessas tecnologias, liderando a adaptação tecnológica e contribuindo para a incorporação suave dessas ferramentas na rotina diária dos profissionais do direito, no nosso caso, nas equipes jurídicas das empresas. O papel dessas soluções não apenas torna a prática jurídica mais eficiente, mas também permite que os advogados dediquem mais tempo às tarefas que realmente exigem sua experiência e julgamento únicos.

Em resumo, o horizonte do direito na era digital parece promissor. Com a combinação adequada de tecnologia e humanidade, a indústria pode esperar um futuro mais ágil, preciso e, acima de tudo, mais centrado nas necessidades e no bem-estar dos clientes e empresas. A chave está em encontrar o equilíbrio perfeito, no qual a tecnologia potencialize o ser humano, mas sem tentar substituir seu papel insubstituível até o momento.

IA: A Nova Fronteira na Gestão de Contratos

Fundador e CEO da Webdox.

José Manuel também é consultor da América do Sul para a IACCM, uma instituição líder mundial em pesquisa de gestão e otimização de contratos. Além disso, ele tem sido palestrante em várias conferências na América Latina e nos EUA sobre tecnologias avançadas aplicadas à gestão de contratos.

ASSINE A NOSSA NEWSLETTER
Preencha este campo obrigatório
Preencha este campo obrigatório
Preencha este campo obrigatório
-
ARTIGOS RELACIONADOS
-